Translate

sábado, 4 de julho de 2015

Que vida é essa que estou vivendo?
Quando foi que eu deixei de ser eu mesma?
Por que não tenho mais tempo de ver o Sol ser engolido escuridão da noite?

Meus dias se tornaram tão vazios e sem cor...
A horrível sensação de não ver, não sentir, não falar...
E todos aquelas vozes me chamando desesperadas, despreparadas.

É tudo tão doloroso.
Não querer ser dependente e, ainda assim, sempre depender de outrem.

Amar a vida ao sentir um toque...
Fazer sorrisos se abrirem ao recitar um verso de sentimentos...
Utopia...

Quando isso vai acabar? Como vai acabar?
Acho que prefiro nem saber.

terça-feira, 23 de junho de 2015

Aqui outra vez...

"Querido Diário"... Pensei que não fosse voltar a escrever.

Na verdade, nesses dez meses em que fiquei sem postar, estava bem.
Não totalmente, até porque, nunca se está totalmente bem.
Mas estive muitos momentos bons.
Momentos esses que me fazem escrever agora.
Nesses dez meses, fiz muitas coisas;
Estudei, trabalhei, sorri, chorei, gritei, pensei...
E cheguei a conclusão de que não adianta fugir daquilo que realmente sou.
Não adianta fugir do motivo pelo qual nasci.
E nem tentar me esquivar do meu destino.
Eu não sei me abrir de outra maneira a não ser escrevendo.
Sei que não escrevo tão bem. Na verdade, sei que escrevo bem mal.
Muitas vezes, quase sempre, coloco vírgula onde não tem, crio frases sem sentido com palavras sem uma ordem exata.
Mas de quê adianta organizar meus textos desabafados, enquanto minha mente está uma bagunça?

Cá estou eu novamente... Desabafando coisas vividas e utopias.
Nesses dez meses aprendi que não sei escrever;
Que não sei fazer rimas bonitas;
Que na maioria das vezes, meus textos são depressivos.
Tentei parar. Fazer outra coisa, encontrar outra maneira de desabafar.
Mas foi uma tentativa falha.
Cá estou novamente... E cá estarei em breve, postando meus desabafos, minhas desordens e sonhos frustrados.
Descobri que tenho sonhos falhados demais para incluir o de escrever nessa lista.


Obrigada pela atenção!